• Alexandre Agassi

Criadores de Avatar: A Lenda de Aang deixam adaptação da Netflix


O co-criador da aclamada animação Avatar: A Lenda de Aang, Michael Dante DiMartino, publicou uma carta aberta em sua página do Facebook, anunciando a saída dele e de Bryan Konietzko devido a divergências criativas.

“Qualquer que seja a versão que acabe na tela, não será o que Bryan e eu tínhamos imaginado ou pretendíamos fazer”, disse DiMartino.

Confira a carta aberta abaixo:

Uma carta aberta para Avatar: A Lenda de Aang

Muitos de vocês têm me pedido atualizações sobre a série em live-action de Avatar da Netflix. Posso finalmente dizer que não estou mais envolvido com o projeto. Em junho deste ano, após dois anos de trabalho de desenvolvimento, Bryan Konietzko e eu tomamos a difícil decisão de deixar a produção.

Quando Bryan e eu assinamos o projeto em 2018, fomos contratados como produtores executivos e showrunners. Em um anúncio conjunto para a série, a Netflix disse que estava comprometida em honrar nossa visão para esta nova versão e nos apoiar na criação da série. E expressamos como estávamos entusiasmados com a oportunidade de estar no comando. Infelizmente, as coisas não correram como esperávamos.

Olha, coisas acontecem. As produções são desafiadoras. Surgem eventos imprevistos. Os planos precisam mudar. E quando essas coisas acontecem em outros momentos da minha carreira, tento ser como um Nômade do Ar e me adaptar. Eu faço o meu melhor para seguir o fluxo, não importa que obstáculo seja colocado no meu caminho. Mas mesmo um Nômade do Ar sabe quando é hora de cortar suas perdas e seguir em frente.

Comecei a reavaliar o que é realmente importante na minha vida e o que eu queria fazer com o que sobrou dela. Segui alguns conselhos do tio Iroh. Olhei para dentro e comecei a me fazer a grande pergunta: "Quem é você e o que você quer?"

Também busquei a sabedoria de filósofos estóicos que eram grandes em diferenciar entre o que está sob nosso controle e o que não está. Percebi que não conseguia controlar a direção criativa da série, mas conseguia controlar como respondia. Então, optei por sair do projeto. Foi a decisão profissional mais difícil que já tive de tomar, e certamente não uma que tomei levianamente, mas foi necessária para minha felicidade e integridade criativa.

E quem sabe? A adaptação live-action do Avatar da Netflix tem potencial para ser boa. Pode acabar sendo um show que muitos de vocês vão gostar. Mas o que posso ter certeza é que, qualquer que seja a versão que apareça na tela, não será o que Bryan e eu tínhamos imaginado ou pretendíamos fazer.

Eu também quero deixar claro que isso não significa o fim do meu envolvimento no universo Avatar. Essas histórias e personagens são importantes para mim e o renovado interesse e entusiasmo em Avatar e Korra tem sido inspirador de ver.

Escrever esta carta deixou-me com o coração muito pesado. Sei que muitos de vocês ficarão desapontados e frustrados com esta notícia. Entendi. Eu compartilho sua decepção e frustração. Também reconheço que esse revés criativo é pequeno em comparação com os problemas que todos enfrentamos como sociedade agora.

Felizmente, Iroh ofereceu alguma sabedoria sobre isso também: “Às vezes, a vida é como um túnel escuro. Você nem sempre pode ver a luz no fim do túnel, mas se você apenas continuar se movendo, você chegará a um lugar melhor. ”

Que todos possamos seguir em frente e chegar a um lugar melhor.

Obrigado por ler e por seu entusiasmo contínuo pelo universo Avatar.

Com gratidão,

Michael Dante DiMartino

 POSTS RECENTES